UM OLHAR PARA O FUTURO

UM OLHAR PARA O FUTURO

Otávio Figueira. 

Todos os povos e civilizações, de uma maneira ou de outra, buscaram rever o passado para facilitar entender o presente e projetar-se no futuro. Estudar a história não consiste apenas em memorizar fatos, datas de eventos históricos ou o nome do cara que disse aquela frase de impacto durante a revolução. Também envolve a análise do impacto geral dos acontecimentos históricos, tendências, etc. Por exemplo, como as várias guerras civis moldaram os governos dos países envolvidos e os tornaram o que são agora. Tudo isso para descobrir como a Humanidade pode ser melhor no futuro e não repetir os mesmos erros.

Diante desse preâmbulo, porém, permito-me fazer um nexo causal com a nossa cidade de Óbidos e seu povo, também de um rico arsenal cultural e de desenvolvimento em um passado de glórias e prosperidades. É difícil, entretanto, não lembrar a reminiscência de nosso Torrão. Não precisar elencar, pois nosso povo, por exemplo, não esquece o Tiro de Guerra; grandes escolas; abnegados, competentes e preparados professores, escritores, músicos e compositores como os que se apresentaram no Primeiro Festival da Canção Obidense, no ano de 1984, enfim, todas as cidades circunvizinhas, exceto Santarém, dependiam em parte de Óbidos para aperfeiçoarem o desenvolvimento. Infelizmente hoje, para o nosso desânimo, a situação é totalmente inversa.

No entanto, nem só de passado vive o homem. Devemos, sim, extrair as boas práticas que alicerçaram nossas demandas, moldá-las aos novos tempos e, aplicá-las de acordo com as necessidades.

Por outro lado, em se confirmando as eleições ainda este ano, aflora um momento auspicioso para o povo escolher o seu futuro mandatário e vereadores municipais. É, porém, uma oportunidade ímpar da população exigir e cobrar, sem ódio e desavenças, propostas exequíveis e factíveis, que há muito nossa cidade precisa e espera.

Quiçá nossos conterrâneos, principalmente os preparados intelectualmente e com escolaridade superior, cônscio da importância e do papel de exercerem um cargo público, que convença os eleitores por meio de suas propostas, eloquência, sinceridade sem, contudo, usar de subterfúgios, artimanhas e “presentes” para, depois de eleito, esquecerem-se de seu povo. 

Portanto, baseado na história de luta dos nossos antepassados, vamos construir um olhar para o futuro sem lamentações, desânimos, fraquezas, mas com a esperança na frase expressa na letra da canção do conterrâneo Amaury Savino: “Às vezes sou forte!”.

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS