Prefeitura de Óbidos decreta estado de alerta por causa das chuvas

Prefeitura de Óbidos decreta estado de alerta por causa das chuvas

A Prefeitura de Óbidos, no oeste do Pará, decretou por meio da Coordenadoria Municipal de Proteção e Defesa Civil (Compdec), estado de alerta por conta das fortes chuvas que vem atingindo o município desde o período mais intenso do inverno amazônico.

O Decreto nº 029 de 18 de janeiro de 2019, foi promulgado após o relatório da Compdec, realizado no início do ano, apontar o agravamento da situação das áreas de risco mapeadas na zona urbana. Com isso, estão sendo adotadas por todos os órgãos da Administração Municipal, medidas para o enfrentamento dos danos causados pelas enxurradas e para prevenção de tragédias.

Segundo levantamento preliminar, mais de 1.500 famílias residem em áreas de risco somente na área urbana de Óbidos. O mapeamento aponta para três grandes áreas: Rua Antônio Fernandes (bairro de Fátima), Engenho (bairro São Francisco), e o perímetro de extensão das barreiras que vai desde o centro da cidade até o bairro de Santa Terezinha.

“O estado de alerta foi necessário porque a situação ficou ainda mais grave nessas áreas. Redobramos o nosso monitoramento e inclusive já chegamos a retirar uma família da área das barreiras. Tudo fica ainda mais complicado porque constroem casas perto de encostas sem nenhum tipo de cuidado. Em outros casos, o próprio morador joga o lixo que causa parte desses problemas”, disse o coordenador da Defesa Civil, Jamerson Pimentel.

Chuvas

Na manhã dessa quinta-feira (7) a cidade voltou a ser castigada por uma forte chuva que começou na madrugada, ocasionando o registro de um dos maiores índices pluviométricos estimados para a região. Segundo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), baseado nas informações obtidas nas estações meteorológicas automáticas, Óbidos alcançou a marca de 52.6 milímetros nas primeiras horas de chuva.

Com isso, foram registradas várias ocorrências em diferentes bairros da cidade. No bairro Bela Vista, 4 postes de sustentação da rede elétrica caíram e outros 2 tombaram próximo ao residencial Adonias Silva. O trânsito de pedestres e veículos foi interditado no local pelo Departamento Municipal de Trânsito (Demutran), até que a empresa concessionária de energia normalize a situação.

Uma casa desabou no final da rua Siqueira Campos no centro da cidade. O imóvel que ficava próximo à barreira já estava interditado pela defesa civil. A família foi retirada há cerca de 90 dias e está recebendo auxílio da Secretaria Desenvolvimento Social por meio do aluguel social. Em breve, uma nova moradia deve ser destinada aos moradores.

“Desde as primeiras horas de hoje nossas equipes estão em ação. Pedimos para que as pessoas que moram nesses locais afetados fiquem em casa. Muitas ruas foram cortadas pela enxurrada e, em alguns casos, o trânsito ficou interditado. Com o apoio da secretaria de infraestrutura, Demutran e outros órgãos estamos prestando o auxílio necessários ao atingidos”, ressaltou Pimentel.

Outro registro de dano causado pela enxurrada foi no balneário Curuçambá, distante 7 km da cidade. O material utilizado na obra de recuperação da PA 249 foi levado pela água da chuva para o leito do igarapé Curuçambá, causando o assoreamento.

Rio Amazonas

A Defesa Civil também está atenta para a elevação do nível do rio Amazonas em frente à cidade. Nesta segunda o Amazonas atingiu a marca de 5,39 metros. Apenas 1,21 metros da cota máxima para o período que é de 6,60 metros.

Mesmo com a repentina subida do nível do rio nas últimas semanas, a situação ainda é considerada estável.

FONTE: Ascom/Pmo

BLOG COMMENTS POWERED BY DISQUS